fbpx

Por que o envolvimento dos funcionários é muito mais do que apenas chamadas de zoom

A rapidez com que as coisas mudam – no início da pandemia, as forças de trabalho mudaram, aparentemente da noite para o dia, para um modelo remoto. Na ausência de um bebedouro físico, os funcionários fazendo perguntas uns aos outros e outros métodos pessoais “normais” de aprendizado e interação, as organizações buscaram outras maneiras de os trabalhadores se conectarem e se envolverem de forma eficaz.

Afinal, o engajamento dos funcionários, definido pela Society of Human Resource Management (SHRM) como “o nível de comprometimento e conexão de um funcionário com a organização”, é uma parte importante da experiência de trabalho e um indicador de satisfação no trabalho.

As organizações começaram a depender mais de plataformas de videoconferência, como o Zoom, para preencher esse vazio em todos os tipos de envolvimento e atividade de funcionários: de sessões de treinamento e coaching a atualizações de RH, eventos sociais (virtuais) e muito mais.

Isso funcionou bem em muitas empresas, por um tempo. Mas algumas empresas começaram a perceber que, à medida que as agendas eram preenchidas com videochamadas, os funcionários pareciam se desengajar – o oposto do que se desejava. Muitos não estavam participando, suas câmeras estavam desligadas ou eram claramente multitarefas. As empresas rapidamente descobriram que também precisavam de outras maneiras de impulsionar o engajamento.

Por que o envolvimento dos funcionários é mais do que apenas chamadas de zoom?

Em vez de depender de apenas uma solução, impulsionar o engajamento dos funcionários requer uma abordagem multifacetada. Isso é porque:

  1. As pessoas ficam exaustas por muito tempo de tela, e vídeo chamadas grandes não são para todos. Por exemplo, pessoas introvertidas podem estar menos inclinadas a falar. Também pode ser difícil captar dicas sociais em vídeos que você pegaria pessoalmente.
  2. Você não pode cobrir todas as suas necessidades com uma chamada de vídeo. Por exemplo, o treinamento envolve mais componentes e recursos — alguns dos quais não exigem conexão síncrona ao vivo.
  3. As videoconferências levam tempo e disputas de agenda; este tempo muitas vezes pode ser melhor direcionado para outro lugar.
  4. O envolvimento dos funcionários também exige abordar os componentes emocionais: demonstrar confiança em seus funcionários; deixá-los saber que eles são importantes; pedir, ouvir e agir de acordo com seus comentários e opiniões; e promover o equilíbrio e o bem-estar dos colaboradores. Essas são áreas que não podem ser abordadas apenas por meio de videochamadas.

Para ser claro, isso não se destina a derrubar plataformas de videoconferência. Confiamos muito no Zoom no início da pandemia e ainda o usamos; é ótimo. Mas, como qualquer ferramenta, é importante usá-la estrategicamente.

Estratégias adicionais para conduzir o engajamento

À medida que começamos a sair da pandemia, a força de trabalho remota e híbrida está aqui para ficar. Com isso em mente, algumas maneiras que encontramos para complementar as videochamadas e impulsionar efetivamente o envolvimento dos funcionários nesse ambiente incluem:

1. Construindo comunidades online e offline

As organizações podem usar várias tecnologias que facilitam a construção da comunidade, o aprendizado e o compartilhamento de conhecimento, como suporte a perguntas e respostas e convites a especialistas para sediar sessões.

Algumas empresas utilizam uma função de grupos para organizar internamente os grupos sociais (além dos grupos de trabalho, é claro). Por exemplo, há clubes relacionados a livros, culinária, animais de estimação e culturas. Cada grupo tem um feed de notícias e os membros podem compartilhar imagens e vídeos a qualquer momento. Isso proporciona uma sensação de conexão e pertencimento entre a equipe.

2. Ministrando treinamento assíncrono

Tentar forçar todos a um modelo de treinamento síncrono (por exemplo, aula de Zoom ao vivo) nem sempre é a melhor opção, especialmente para grandes forças de trabalho globais onde os horários não se alinham. Embora o treinamento ao vivo seja ótimo para atividades altamente interativas (por exemplo, roleplay), as empresas podem achar que um formato sob demanda (assíncrono) é mais adequado para outras entregas de informações em suas equipes distribuídas.

Além disso, é importante que as empresas expandam seus programas de treinamento para além da mera conformidade. O treinamento é fundamental para o desenvolvimento de habilidades e desenvolvimento profissional, impactando na retenção e satisfação dos funcionários.

3. Oferecendo oportunidades de mentoria

Conectar funcionários mais novos com funcionários mais antigos pode ajudar os funcionários a se desenvolverem profissionalmente e promover conexões sociais importantes.

A mentoria online também é uma boa maneira de conectar funcionários que trabalham em equipes diferentes, ou mesmo em diferentes partes do mundo. Alguns mentores podem se destacar na comunidade online como especialistas no assunto (com base em sua função, interesses e grupos dos quais participam). 

As empresas podem incentivar essas pessoas a entrar em contato com funcionários mais novos por meio de mensagens diretas e ajudar no treinamento. Especialmente quando as reuniões presenciais não são uma opção viável, essa abordagem pode construir relacionamentos valiosos.

4. Reconhecendo funcionários

Mesmo que você tenha um ótimo sistema de reconhecimento, ele pode não ser otimizado para funcionários remotos ou híbridos. Agora é a hora de consertar isso e criar uma cultura de reconhecimento a qualquer hora, em qualquer lugar.

Os gerentes desempenham um papel no fornecimento de reforço positivo, e há várias maneiras de reconhecer os funcionários, como enviar um “tapa nas costas” e parabéns por meio de um canal #ThankYou Slack, mídia social, e-mails e boletins informativos, uma plataforma de aprendizado (por exemplo, com distintivos por conquistas) ou uma plataforma de reconhecimento.

Se você tem um programa de premiação para funcionários, certifique-se de que ele inclua funcionários remotos igualmente – e se você ainda não tem um, este é o momento perfeito para começar.

5. Usando o Zoom estrategicamente

Em vez de adotar uma abordagem de tamanho único, pergunte a si mesmo se uma atividade precisa ser uma videoconferência ou não. Evite conferências ao vivo quando puder usar e-mail ou vídeo sob demanda com mais eficiência e fique atento ao tempo e aos horários dos funcionários.

Usamos o Zoom para reuniões trimestrais da empresa e quando precisamos fornecer atualizações ao vivo para toda a empresa (como notícias de financiamento). Também funciona bem para treinamento com componentes interativos.

Abordando questões de engajamento

Tomar medidas incrementais geralmente faz mais sentido quando se trata de abordar o envolvimento dos funcionários e adotar uma abordagem mais ampla. Saiba que a mudança não acontecerá da noite para o dia, embora certamente tenhamos visto o ritmo da mudança acelerar nos últimos dois anos.

As organizações podem procurar incorporar as áreas acima organicamente, de uma maneira que faça sentido: ver como os funcionários respondem, coletar feedback e, em seguida, desenvolver planos ainda mais. O importante é agir. Boa sorte com suas estratégias!

Tradução