Inteligência emocional nas empresas: como desenvolver?

Confiança, bom relacionamento com as pessoas, objetivos sendo traçados e a evolução como um bom profissional. Tudo isso é importante e de interesse do mercado de trabalho.

Mas como conseguir? Existem maneiras que possam encaminhar esses bons resultados? Como ter mais rendimento e produção?  

Sim, existem maneiras e isso está atrelado a inteligência emocional, que, segundo especialistas, fogem do pensamento racional e o da capacidade de concluir equações.

Bom, ficou curioso? Então saiba mais sobre esse assunto a seguir.

O que você irá ver neste artigo

 

O que é a inteligência emocional?

O jornalista e psicólogo Daniel Goleman (7 de março de 1946, Stockton, Califórnia, EUA), trabalhou por 12 anos no The New York Times, apresentando conteúdos sobre o cérebro e as ciências comportamentais. Em 1996, escreveu e lançou o livro “Inteligência Emocional”, onde definiu de fato o que é a inteligência emocional:

“No mundo atual, não basta ser inteligente, esperto e preparado para competir. É preciso ter calma e empatia e persistir diante das frustrações para conseguir viver bem no amor, ser feliz com a família e vencer no mercado de trabalho.”

Dessa forma, a resposta para essa pergunta trata sobre a capacidade de descobrirmos nossos próprios sentimentos e evoluímos como pessoas em nossas relações pessoais e principalmente no trabalho.

Goleman ainda cita cinco habilidades relacionadas:

  1. Autoconhecimento: admitir os próprios sentimentos e emoções quando ocorrem;
  2. Automotivação: destinar toda a energia em busca de uma evolução pessoal;
  3. Controle emocional: saber se adequar, em questão de sentimentos, para cada momento da vida;
  4. Empatia: Se colocar no lugar de outra pessoa, para entender de forma mais clara os sentimentos;
  5. Relacionamento Interpessoais: a convivência com outras pessoas.

O que significa a inteligência emocional?

Significa evoluir como pessoa, podendo se desenvolver de uma forma mais consciente. No trabalho, por exemplo, é importante saber lidar com prazos, pressões e conflitos. Possuir um ambiente harmonioso é algo muito complexo e que exige definitivamente tanto o autoconhecimento, quanto a inteligência emocional. Pois, tudo está completamente envolvido nos sentimentos.  

Para Goldman: “As emoções são contagiosas. Todos sabemos disso por experiência. Depois de um bom café com um amigo, você se sente bem. Quando encontra um balconista rude em uma loja, se sente mal.”

Isso é um fato. O ambiente estressante do trabalho é extremamente contagioso, onde transforma as emoções em verdadeiras montanhas-russas, atrapalhando a produção e a boa convivência.

Quais conflitos são mais comuns dentro das empresas?

O principal conflito dentro de uma empresa está ligado à relação entre as pessoas. Geralmente falta comunicação e autoconhecimento de todos. É muito importante a empresa perceber essa questão e tomar alguma atitude, pois, ambientes de trabalho ruins não trazem nenhum benefício para a organização, apenas mais gastos.

Tudo isso desenvolve ainda pontos mais negativos, como: resultados insatisfatórios, desmotivação, pedidos de demissão, falta de evolução, perda de foco e a desvalorização em si da imagem da empresa.

Por isso, é importante o RH apresentar melhorias e desenvolver um clima organizacional, que ajudará a dar um caminho e soluções de curto a médio prazo.

Por que pensar na inteligência emocional no trabalho?

Para empresas, o foco é aumentar a produtividade e o rendimento individual de cada colaborador. Pois, desenvolvendo a inteligência virtual no trabalho, a organização passará a contar com profissionais com melhor controle emocional.

Quando uma pessoa passa a ser mais confiante e sabe o caminho que tem a trilhar, consequentemente a sua produtividade aumentará, gerando mais rendimentos.

Uma empresa com pessoas inteligentes emocionalmente tem a segurança de sucesso na administração do tempo e da eficácia.

Como promover o desenvolvimento da inteligência emocional?

Agora, vamos conferir algumas dicas de como desenvolver a inteligência emocional. Confira:

Treinamento

Sim, existem cursos ministrados por especialistas na área, que aplicaram métodos e desenvolveram soluções a partir das questões negativas apresentadas em determinado ambiente de trabalho.

Isso será importante, pois os colaboradores receberão reflexões importantes sobre os conflitos que mais estão impactando o dia a dia na empresa.

Team Building

Já está bem claro o objetivo da inteligência emocional, certo? Para quem ainda não entendeu, está relacionado a consolidação das relações interpessoais, com a melhora do ambiente de trabalho e consequentemente da produtividade e rendimentos.

Entendendo isso, já fica mais claro o objetivo do Team Building. Essa técnica visa fortalecer a relação de pessoas de um mesmo grupo, ou, setor, no caso.

Com técnicas lúdicas, de forma descontraída, o Team Building apresentará os pontos fortes e fracos de cada colaborador, gerando proximidade entre eles e soluções internas. Basicamente, onde um ajudará o outro nas dificuldades.

Feedback

Quem acompanha o nosso blog, já viu que o feedback está quase sempre relacionado em questões envoltas em soluções de problemas. E não é para menos, essa ação é extremamente importante, pois, apresenta ao colaborador pontos negativos e positivos, além do que é esperado pelo trabalho desempenhado por ele.

Isso auxiliará em muito na inteligência emocional, onde dará um caminho a ser percorrido pelo colaborador e trará mais confiança a ele do que fazer.

Consultorias

É muito fácil apontar os problemas de conflitos em um ambiente de trabalho. Mas o difícil mesmo é indenizá-los. Às vezes, apenas o gestor da área não dará conta ou não terá o que é necessário para perceber o que está ocorrendo.

Dessa forma, uma dica é se valer por consultorias externas, que estarão focadas e com experiência em documentar essas questões, propondo as melhorias e facilitando o trabalho necessário em um tempo mais hábil.

Dicas para desenvolver a inteligência emocional

Hora de algumas dicas. Essas, para quem deseja desenvolver mais a sua inteligência emocional, até mesmo, para situações fora do ambiente de trabalho, mas que também servirá perfeitamente para tudo:

Diga o que sente

Sabe a popular DR? A discussão de relacionamento, mais atrelada a casais, mas que basicamente serve para qualquer tipo de relação, inclusive as no ambiente de trabalho.

Então, falar o que sente é muito importante, pois, colocar para fora e se expressar, indicará a quem está envolvido toda a situação. Além de fazer bem a si mesmo.

Terapia

Melhor ainda, é poder desabafar e contar tudo sobre o sente ao um profissional da área, alguém com especificações que entenderá melhor de uma forma mais concreta e aplicará as soluções de um jeito não perceptivo por você.

As conversas, ainda ajudarão no autoconhecimento, importante ferramenta já abordada aqui em nosso blog e dará o necessário para o desenvolvimento da inteligência emocional.

Entender que a felicidade não é 24 horas por dia

Pode soar estranho dizer isso, mas é a verdade. Você não será feliz 24 horas por dia, sete dias por semana e a vida toda. Permita-se entender isso, saber lidar quando a situação não for boa. Aproveite cada sentimento e desfrute das diversas sensações ao longo do tempo.

Aprofunde mais sobre o tema

Sim, busque mais conhecimento em outros canais. Como já citado, há o livro “Inteligência Emocional”, de Daniel Goleman. O autor virou referência no assunto e traz as definições e sentenças mais aprofundadas sobre o tema.

Deseja saber mais sobre ele? Abaixo confira um vídeo com o autor.

 

A inteligência emocional na formação de um líder

Novamente, a inteligência emocional está ligada ao bom ambiente de trabalho. O que está bem atrelado ao líder. Um bom gestor precisa se preocupar com o estado emocional de quem está abaixo dele. Resolver questões de convívio, evitando possíveis complicações relacionadas ao rendimento e produtividade do setor, por exemplo.

Além disso, esse desenvolvimento dará um aspecto mais estratégico, qualidade vital para qualquer líder. Por isso, a empresa, alinhada ao RH, precisa buscar e identificar os melhores colaboradores nesse aspecto, visando o desenvolvimento para o futuro, tanto deles quanto da organização.

Características de quem tem inteligência emocional

A principal é a confiança em seu trabalho, sabendo aonde pode ir, como ir e até onde pode chegar. Outra principal característica está atrelada ao bom convívio com as pessoas, as tais relações interpessoais.

De modo geral, essas habilidades estão atreladas ao que Goleman cita em seu livro, já mencionado aqui neste post: autoconhecimento, automotivação, controle emocional, empatia e relacionamento Interpessoais. Confira o tópico sobre” O que é a inteligência emocional?” para mais detalhes.

Como desenvolver inteligência emocional na equipe?

Além das dicas já citadas, é importante que o líder/ gestor de cada setor tenha esse conhecimento desenvolvido para saber o que poderá ser realizado.

Nesse ciclo de problemas, o mais importante de tudo, que precisa ser a regra número 1 de qualquer setor em uma empresa, e até na organização como um todo, além da vida, é a Comunicação.

Por isso, é importante o gestor resolver as pendências de sua equipe através da comunicação, sem ela, nada sairá do papel e nenhuma ideia apresentada aqui terá valor.