fbpx

Três maneiras pelas quais o metaverso poderia transformar o RH

Em seu recente post no blog, Bill Gates fez uma previsão ousada: “Nos próximos dois ou três anos, prevejo que a maioria das reuniões virtuais passará de grades de imagens de câmeras 2D… para o metaverso, um espaço 3D com avatares digitais”.

De fato, embora muitas empresas ainda não tenham adotado totalmente o trabalho remoto como o conhecemos (dominado principalmente por chamadas de Zoom), algumas empresas (principalmente de tecnologia) já estão dando saltos para migrar para o futuro do trabalho que será definido por uma colaboração remota mais autêntica e potencialmente o metaverso.

À medida que o metaverso redesenha a maneira como trabalhamos, pode haver grandes implicações para os líderes de RH que deveriam estar conduzindo essa transformação. Os líderes de RH não apenas têm acesso às ferramentas e know-how necessários para implementar essa mudança, mas também precisam garantir que o futuro do trabalho seja projetado com as pessoas em mente.

O metaverso: a nova maneira de trabalhar remotamente?

O metaverso é uma realidade digital ou virtual (VR) alternativa. A maioria de nós associa o metaverso a conjuntos caros de VR usados ​​para fins de jogos e entretenimento. Mas verdade seja dita, há muito mais no metaverso do que isso.

Por um lado, embora os conjuntos de VR sejam frequentemente a porta de entrada mais conhecida para o metaverso, existem outras tecnologias mais acessíveis para acessar o espaço virtual, incluindo smartphones e computadores. Mais importante, o valor agregado do metaverso vai além dos videogames: também tem a capacidade de revolucionar nossos locais de trabalho.

Grandes empresas de tecnologia, como Meta (anteriormente Facebook), Microsoft, Google e Apple, estão investindo pesadamente na tecnologia do metaverso – com alguns desses investimentos focados especificamente na colaboração no trabalho. 

Por exemplo, o Horizon Workrooms da Meta e o Mesh da Microsoft utilizam a tecnologia VR para permitir que as equipes trabalhem na mesma sala virtual, independentemente da localização física de cada pessoa.

Especialmente porque a VR corporativa deve aumentar de US$ 829 milhões em 2018 para US$ 4,26 bilhões até 2023, não é difícil entender por que Bill Gates tem tanta certeza sobre a probabilidade de mudar de chamadas de Zoom para sua versão 3-D mais avançada.

Aproveitando ao máximo o metaverso no local de trabalho: três áreas em que o RH pode se concentrar

À medida que o metaverso faz incursões em nossos negócios, o RH pode assumir mais liderança e propriedade. Aqui estão três maneiras pelas quais o metaverso pode afetar o RH e como o RH pode, por sua vez, afetar o futuro de nossos locais de trabalho.

1. Equidade em um novo ambiente de trabalho digital

Um espaço de trabalho baseado em metaverso traz novas oportunidades para construir um local de trabalho mais justo. Ao mesmo tempo, a globalização que o metaverso possibilita provavelmente enfatizará as diferenças existentes. Isso representará vários desafios que os profissionais de RH precisarão enfrentar:

  • Hierarquia de conhecimento de tecnologia versus tecnofobia: um metaverso provavelmente parecerá nativo para trabalhadores mais jovens enquanto exige que muitos outros aprendam a fazer as coisas de uma maneira completamente nova.
  • Requisitos de largura de banda que podem enfatizar a desigualdade: um metaverso requer mais largura de banda da Internet, com áreas menos desenvolvidas geralmente oferecendo menos opções acessíveis.
  • Segurança, bem-estar e inclusão no local de trabalho: embora as pessoas usem principalmente avatares no metaverso, elas estarão interagindo no que ainda constituirá um ambiente de trabalho. As empresas devem permanecer sérias em relação à diversidade, inclusão e pertencimento quando se trata de seus funcionários. Para isso, os profissionais de RH precisarão decidir exatamente como supervisionar esse espaço virtual para evitar comportamentos problemáticos, como assédio, abuso ou bullying. Um bom guia seria determinar o que constitui tal comportamento no mundo virtual, integrar as definições nas políticas do seu local de trabalho e educar os funcionários sobre comportamentos inadequados no metaverso.

2. Criando um local de trabalho produtivo e colaborativo

Todos sabemos que o design de um espaço influencia a forma como as pessoas o utilizam. Uma mesa redonda convida à discussão, enquanto o chefe se senta à cabeceira de uma mesa retangular. O metaverso abre a possibilidade de reimaginar um ambiente de trabalho produtivo, colaborativo e criativo sem restrições de normas físicas.

A nova forma de trabalhar no metaverso poderia ampliar a definição de trabalho híbrido. Graças a essa tecnologia, os funcionários têm o potencial de colaborar remotamente e se envolver de maneira mais autêntica e humana. A lacuna entre o escritório físico e um espaço virtual pode diminuir.

O RH precisará configurar o metaverso em suas organizações de uma forma que impulsione o desempenho dos negócios. O design virtual do metaverso nos permite ir além do ambiente de escritório tradicional, muitas vezes sem inspiração, e criar locais propícios à colaboração, criatividade, tomada de decisão, entretenimento ou tudo isso combinado.

Da mesma forma, o RH desempenha um papel crucial em ajudar as empresas, seus departamentos, gerenciamento e equipes a descobrir como tirar o melhor proveito da tecnologia. Eles precisarão desenvolver novas políticas de trabalho híbridas para garantir práticas de trabalho saudáveis ​​no metaverso e ensinar os líderes a liderar nesse novo ambiente.

3. Com o Metaverso, a contratação provavelmente mudará

O metaverso também pode impactar positivamente o trabalho dos profissionais de RH. Muitas empresas já estão experimentando o uso do metaverso na contratação de talentos. Por exemplo, a empresa de eletrônicos coreana Samsung organizou uma feira de recrutamento virtual e a fabricante de automóveis Hyundai usou o metaverso para a integração de novos funcionários. 

A filial da PwC no Reino Unido usa a tecnologia no recrutamento e criou o Virtual Park, uma plataforma do metaverso, para entrevistar candidatos a emprego. Da mesma forma, as equipes de RH podem usar o metaverso para integrar a equipe de trabalho remoto de uma maneira mais autêntica. Esses funcionários podem ser imersos em treinamentos e simulações em 3-D.

Considerações finais

Embora o metaverso tenha seus desafios – principalmente no que diz respeito à proteção de dados e altos custos – ele provavelmente pode revolucionar nossos locais de trabalho, não porque as grandes empresas de tecnologia estão pressionando, mas por causa de seu valor agregado. 

Para garantir que esse novo futuro do trabalho permita que ainda mais pessoas participem remotamente e o façam de maneira mais autêntica, o RH precisará orientar esse desenvolvimento.

Texto traduzido da Forbes