fbpx

8 Tendências para o RH em 2022

Se o ano de 2021 reinventou o setor de recursos humanos, solidificando suas novas regras e regulamentos, 2022 será sobre encontrar os limites para maximizar o valor. 

Com o objetivo de ajudar as empresas a gerenciar sua força de trabalho de forma mais produtiva e com maior empatia em 2022, abaixo listamos as 8 tendências para o RH. 

Desde que a pandemia atingiu o mundo, houve uma mudança de paradigma em onde e quando trabalhamos e como medimos o progresso. Os anos de 2020 e 2021 mudaram o mercado de trabalho.

Tecnologias emergentes de RH estão sendo projetadas hoje para mudar a forma como os empregadores selecionam, contratam, integram e gerenciam talentos.

Uma pesquisa do Gartner mostrou que 90% dos líderes de RH desejam manter ou aumentar seus gastos com tecnologia, enquanto um terço pretende reduzir seus orçamentos. Isso mostra que os empregadores estão prontos para abraçar as mudanças nas tendências em recursos humanos de uma forma ou de outra.

Para continuar avançando, o setor de RH deve implantar um modelo de trabalho que ofereça maior flexibilidade aos colaboradores, maximizando a produtividade e a eficiência. Ainda de acordo com a pesquisa do Gartner, quase 60% dos líderes de RH disseram que desenvolver habilidades e competências críticas será a principal prioridade em 2022.

As principais tendências de RH para 2022 são:

  • Modelo de trabalho híbrido
  • Bem-estar dos funcionários
  • Diversidade, equidade e inclusão
  • Requalificação e requalificação de funcionários
  • Alfabetização de dados
  • Recrutamento e seleção
  • Employee Experience
  • Gameficação

Vamos falar sobre cada uma delas com mais detalhes.

O modelo de trabalho híbrido é o futuro

A pandemia forçou as organizações a adotar um modelo de trabalho híbrido, onde os colaboradores podem continuar trabalhando remotamente e no escritório.

Em 2020, 90% dos líderes de RH gostariam de permitir que seus funcionários dividissem seu tempo entre trabalhar remotamente e trabalhar em um escritório após a vacinação. 

De acordo com uma pesquisa da WeWork e Workplace Intelligence, 79% do C-suite devem incentivar seus funcionários a adotar o modelo de trabalho híbrido, se o trabalho permitir.

O modelo de trabalho híbrido está aqui para capacitar os funcionários, mantendo-os engajados mesmo em tempos difíceis. Em vez de prestar atenção desnecessária ao local de trabalho, todo o foco está na entrega de melhores resultados de negócios, garantindo o bem-estar dos colaboradores.

Essa mudança para o trabalho híbrido será uma grande transformação nos próximos anos, e todo profissional de RH deve estar preparado para apoiá-la.

Por que investir nesse modelo de trabalho?

Em 2021, a empresa Microsoft realizou um estudo em mais de 31 países, chegando a mais 30 mil funcionários, com o objetivo de entender sobre os modelos de trabalho durante a pandemia e seus efeitos futuros.

A pesquisa mostrou que 70% dos profissionais entrevistados queriam manter a rotina de trabalho remoto, mesmo com a flexibilização das medidas de segurança. Entretanto, 65% alegaram ter mais tempo com suas equipes presencialmente. 

Esses resultados apontam para duas questões que evidenciam tendências para o futuro: o trabalho híbrido e a flexibilidade.

A gente sabe que o trabalho híbrido não foi criado com a pandemia, mas foi a partir dela que ele se popularizou. E hoje em dia, se tornou o formato de trabalho favorito para o momento pós-pandemia.

O bem-estar dos funcionários será mais importante do que nunca

A pandemia teve um impacto negativo na saúde dos trabalhadores. Fatores como ansiedade, medo de perder o emprego e alta carga de trabalho prejudicaram o moral dos funcionários em todos os setores, resultando em esgotamento. 

De acordo com o Gartner, 85% dos funcionários disseram ter experimentado níveis mais altos de burnout, enquanto 40% relataram impactos adversos no equilíbrio entre vida profissional e pessoal.

De fato, os funcionários estão estressados ​​desde o início da pandemia, o que causou vários problemas de saúde física e mental. 

Os empregadores em 2022 serão mais proativos do que nunca para tornar o bem-estar dos colaboradores uma prioridade. De fato, o investimento do empregador em programas de bem-estar dos funcionários pode reduzir os custos de saúde e afastamentos por doenças.

Diversidade, equidade e inclusão são as necessidades crescentes

A pandemia criou a necessidade de maior empatia e de um ambiente de trabalho mais humano e inclusivo, o que inspirou as organizações a se concentrarem na diversidade, equidade e inclusão (DE&I). 

Equipes diversas apresentam perspectivas variadas e mais pontos de vista a serem explorados, gerando uma troca proveitosa de experiências e ideias. E é justamente com essa interação e compartilhamento entre as pessoas que se cria um ambiente mais propício à inovação.

O DE&I no local de trabalho provavelmente estará no topo da lista de prioridades de RH no futuro. Os profissionais de RH devem planejar, investir mais em diversidade e inclusão para estimular a inovação e o crescimento.

DE&I é mais do que apenas uma tendência; ajuda as organizações a entrar em um mercado de talentos mais amplo e construir uma marca global, bem como aumenta a competitividade, traz resultados mais expressivos, com ganhos em lucratividade e atingimento de objetivos.

A qualificação e requalificação dos colaboradores

Neste local de trabalho em rápida evolução, muitas das habilidades que foram procuradas para um emprego em 2018, por exemplo, podem nem ser mais aplicáveis ​​em 2022. 

Isso forçou as empresas a se concentrarem na qualificação e requalificação de sua força de trabalho existente. Outra razão é a escassez de profissionais multi talentosos dispostos a mudar de emprego.

Análise de pessoas para a alfabetização de dados

Não muito tempo atrás, as empresas procuravam expertise em análise de pessoas (People Analytics). Mas agora, há uma mudança notável nesse cenário! 

Para 2022, os líderes de RH devem priorizar o aprimoramento de suas habilidades de alfabetização de dados usando as mais recentes tecnologias e automação.

O desafio será ler os dados contextualmente e obter os insights relevantes para a execução do trabalho em questão. Para conseguir isso, muitos profissionais de RH precisam melhorar seus recursos de alfabetização de dados. 

Atualmente, apenas cerca de quatro em cada 10 profissionais de RH podem ler, aplicar e comunicar dados de forma eficaz para influenciar a tomada de decisões, de acordo com as descobertas da Academy to Innovate HR (AIHR). 

A alfabetização de dados certamente está aqui para ficar por muito tempo, pois capacita os líderes a lidar com precisão de dados da força de trabalho e gerar melhor valor comercial.

People Analytics

O People Analytics é o processo que reúne as atividades de coleta, organização e análise de dados e informações a respeito dos profissionais de uma organização. 

Com esses dados em mãos, o objetivo é identificar tendências e compreender questões específicas sobre os colaboradores e, a partir disso, tomar decisões mais estratégicas e consistentes em relação à gestão de pessoas.

E esses dados podem ser utilizados para fins que variam de acordo com a necessidade de cada empresa, como: 

  • acompanhar o desempenho dos colaboradores
  • planejar e orientar o capital humano
  • avaliar a comunicação
  • melhorar os processos de Recrutamento e Seleção
  • mapear índices de satisfação, felicidade, engajamento e motivação
  • entre outros

Recrutamento e seleção otimizados

Entre as tendências para o RH em 2022 está o uso de recursos de inteligência artificial nos processos de recrutamento e seleção. Por meio da análise inteligente de dados, é possível rastrear, filtrar diversos perfis comportamentais e selecionar aquele que mais corresponde às demandas das atividades que serão exercidas no cargo. 

A ideia da automação é simples: contratar candidatos que tenham adequação comportamental com as tarefas, em um processo todo otimizado. 

E as áreas de RH podem contar com o TAQE! O software possui diversas ferramentas que podem ajudar no processo de contratação de candidatos. Entre elas estão:

Triagem & Match

Com os testes do TAQE, todos os candidatos são avaliados de forma automática segundo a aderência com as vagas e cultura das empresas.

Gestão & Insights (ATS)

Todas as movimentações no Sistema de Gestão de Candidatos (ATS) do TAQE são mapeadas e transformadas em dados para que o recrutador possa gerar insights sobre o processo seletivo.

Banco de candidatos certificados

No app do TAQE os candidatos vivenciam uma experiência única, por meio de aulas e testes em formato de jogo. O banco de talentos conta com mais de 730 mil profissionais triados esperando o match com as vagas! 

Digitalize o seu processo com o TAQE. Agende uma demonstração gratuita!

Invista no Employee Experience

Também conhecido como experiência do colaborador, o Employer Experience é o nome usado para definir a qualidade da jornada de um colaborador em todo o seu ciclo profissional dentro de uma empresa. 

Isso engloba todos os aspectos: o que vê, sente, como é tratado e como se relaciona com os demais, entre outros. Esse conceito é importante para avaliar se a cultura e os valores da empresa estão sendo seguidos em todas as esferas.

Para a empresa ter um bom branding e reputação (interna e externa), é fundamental que a jornada do colaborador seja efetiva, e é papel do RH incentivar isso criando ações de melhoria e engajamento. 

Afinal, pessoas felizes, motivadas e satisfeitas em suas funções compartilham as vivências, o que reverbera de forma positiva para outras pessoas. Proporcionar aos colaboradores uma boa experiência é essencial não apenas para mantê-los produtivos, mas para que continuem a querer trabalhar pela empresa. 

Resumindo, Employee Experience impacta diretamente nos índices de turnover e retenção de talentos de uma empresa, por isso é uma tendência para 2022 o investimento nessa área.

Gameficação na área de RH

Algumas empresas podem até achar que a Gameficação é algo exclusivo de empresas de tecnologia, mas ela está ganhando espaço em outras áreas e é uma das principais tendências do RH para 2022. 

Como o próprio nome diz, a gameficação significa utilizar técnicas e mecânicas de jogos para envolver, estimular e engajar os profissionais com determinados fins.

E os impactos são muito positivos: a gameficação é divertida e ajuda os colaboradores a criarem laços, relaxar e descontrair, mesmo que estejam realizando tarefas próprias de seus escopos de trabalho. 

E ela também pode ser usada no processo de recrutamento e seleção, e é possível contar com softwares para isso, como o TAQE

O ano de 2022 representa um momento cheio de promessas, inovação e maior inclusão. Qual das tendências apresentadas acima você vai investir na sua empresa?